Relatos de Fé


Carlos Eduardo Lober Vianna da Costa Soares - Leblon - Rio de Janeiro - Capital


Meu nome é Carlos Eduardo Lober Vianna da Costa Soares, tenho 17 anos, moro no Leblon na cidade do Rio de Janeiro.
Gostaria de compartilhar com todos uma experiência de fé vivenciada por mim na preparação para a prece de agradecimento à Deus pela salvação dos nossos antepassados aqui no Rio de Janeiro, realizada no Monumento aos Pracinhas (Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial).
As boas novas que Kyoshu-Sama nos tem trazido em termos de perdão, purificação e salvação de Deus em suas orientações foram de suma importância para que eu vivenciasse tal experiência.
Vivenciei esta experiência no fim de outubro em uma sexta-feira.
No início da semana em que vivenciei tal experiência de fé estava em semana de provas, o que me deixava extremamente cansado. Dormia pessimamente à noite pois não estava conseguindo equilibrar os horários. Evitava dormir a tarde pois se tornaria ainda mais difícil descansar pela noite.
Na sexta-feira (dia 19 de outubro), encerrava-se a semana de provas. Apó s finalizá-las me dirigi até a casa da minha avó para vê-la e almoçar. Tendo em vista que era sexta-feira e não teria que acordar muito cedo no dia seguinte, aproveitei para ir tirar um cochilo em um quarto de sua casa.
Para isso, desejei ligar o ventilador na velocidade máxima.
Ao já estar na cama fui pegar o cobertor e como ele estava dobrado, fiquei sobre a cama de joelhos, e fui estendê-lo com meus braços. Sem querer acabei batendo minha mão na hélice do ventilador que estava na velocidade máxima, acertando meu dedo indicador da mão direita. Na hora doeu intensamente e como já é de hábito comecei a repetir uma oração que nos foi ensinada pelo Reverendíssimo Watanabe há anos atrás:
“Deus e Meishu-Sama, muito obrigado! Esta purificação está me purificando e me salvando, muito obrigado! Recebam a minha gratidão!”
No entanto, ao estar iniciando esta prática tomei consciência que ela necessitava ser atualizada de acordo com as orientações de Kyoshu-Sama, e com o sentimento mais profundo de temor à Deus entoei a oração da seguinte forma:
“Deus e Meishu-Sama, muito obrigado! Este acontecimento está trazendo a mim, meus familiares, amigos, antepassados, descendentes, ancestrais e toda a Humanidade a consciência de que já fomos todos perdoados, purificados e salvos por vó s e que a porta do Paraíso está aberta a todos nó s. Muito obrigado! Recebam a minha gratidão!”
A partir disso, a dor foi aos poucos se aliviando e pude ir dormir.
Mais tarde quando acordei fui fazer exercícios na academia. Comentei o ocorrido com minha personal trainer. Ela relatou vários casos de pessoas que passaram pelo mesmo que passei, com uma exceção: eu fui o único que não perdeu o dedo. Na mesma academia em que faço exercícios, tinha ocorrido um fato desses.
O que mais me surpreendeu é de que nem mesmo uma marca ficou em meu dedo e a dor foi intensa na hora da colisão mas passou rapidamente.
Em nome do Messias que é uno a Meishu-Sama, agradeço a Deus por ter tido a minha mão salva neste acontecimento, que tem providenciado a mim, o meu renascimento.

Muito obrigado!